A morte de Cristo Jesus

Ao considerar o estabelecimento de algumas conclusões sobre a morte de Jesus, lembre-se em primeiro lugar de definir as distinções entre certos conceitos. A Declaração de Fé dos Batistas argumenta de forma clara que a morte de Jesus deve ser compreendida em termos de expiação.

De alguma forma a morte de Jesus traz expiação de pecados para aqueles que aceitam a sua eficácia dentro dos parâmetros de fé. Expiação refere-se expressamente à eliminação do pecado.

Vicariedade refere-se à morte de um em lugar de outro. Os dois termos são comumente tratados como sendo um só conceito (expiação vicária), porém permanecem sendo dois conceitos distintos que podem ser unidos em certas circunstâncias.

O Antigo Testamento trata de expiação, porém só em Isaías 53 trata-se a questão de morte vicária. O Antigo Testamento desconhece o conceito de sacrifício de morte vicária, a não ser na morte vicária de Zerubabel em Isaías 53 e o cordeiro que redime Isaque, o primogênito de Abraão (e em decorrência o cordeiro pascal nos mesmos moldes de redenção do primogênito).

Na redenção do primogênito, temos o conceito de substituição, mas não vinculado ao conceito de expiação.

A compreensão básica do sacrifício de expiação no Antigo Testamento visava à aproximação do homem para com YHWH, provavelmente no sentido de mediar uma audiência. No entanto, no texto de Isaías 6.7, YHWH concede audiência direta aparentemente sem preocupar-se com a questão de culpa e pecado, mas quando o profeta levanta a questão de sua culpabilidade, uma mera brasa pôde expiar sua impureza! Aqui há expiação desvinculada de sacrifício, porém num contexto de audiência com Deus.

Deve-se, portanto, fazer uma distinção entre expiação em si e em teorias de expiação—ou seja, as formas de compreender o evento da expiação (perdão) de pecado. Expiação no Antigo Testamento estava voltado à restauração de comunhão com Deus. O sangue do animal aspergido sobre o altar e a arca da aliança (a tampa da qual representava o trono de YHWH, sendo o seu trono na terra) e sobre o ofertante simbolizava tal aproximação, já que a vida derramada voltava a YHWH. Como o ofertante haveria colocado suas mãos sobre o animal antes da morte do mesmo, seria também levado perante YHWH, restaurando a presença de YHWH no templo e na sua vida— caso YHWH aceitasse a oferta! Como o sacrifício era visto como dependendo da aceitação de YHWH, não é propriamente a morte nem mesmo o sacrifício que efetua expiação, mas é o próprio YHWH, mediante uma atitude de graça, que torna o sacrifício eficaz. Esta compreensão leva o evento sacrifical a ser visto mais como um ato de obediência e reflexão do que um ato salvífico em si.

Quando Jesus Cristo morre na cruz, sofrendo a morte na tradição do sofrimento dos justos e da morte dos profetas (Mateus 23.29-31), é YHWH mesmo ofertando a sua própria vida a Si mesmo como sacrifício pelo povo para expiação e em resgate, com fins de restaurar a humanidade à comunhão quebrada por causa do pecado humano, motivado pelo amor de YHWH pelo homem. STBRS – Cristologia e Soteriologia Pr. Chrístopher B. Harbin

Doc: Cristologia e Soteriologia.doc Impresso: 2002-08-14 página 18 de 20 desgarrado. Jesus morreu, mas vive e intercede por nós eternamente. Jesus é vicário conforme Filipenses 2, no sentido de YHWH criar carne (João 1.14) e viver em nosso lugar, demonstrando como deveria ser a nossa vida de “servos humanos”, sendo “obediente até a morte, e morte de cruz”. Jesus não é tanto vicário em sua morte, como é na sua própria vida, da qual nos é dado participar, sendo Jesus também o modelo para seguirmos, e assim Jesus vive vicariamente naquele que crê (Rm 6.1-11, Gal 2.20).

A morte de Jesus, portanto, tem vários sentidos que não se reduzem a uma só expressão. De certo, o evangelho pregado por Jesus já está embutido no Antigo Testamento, mas na encarnação, ministério e morte de Jesus o evangelho é clarificado e o ser humano é forçado a se posicionar. Foi necessário que Deus “criasse carne”, vivesse entre nós, sofresse, morresse e fosse ressuscitado para nos salvar. Isso por que:

1) Foi necessário o homem perceber de forma clara o grande amor de Deus;

2) Foi necessário o homem reconhecer de forma clara a seriedade do seu pecado.

3) Foi necessário clarificar que nenhum sacrifício animal (nem humano) poderia ser eficaz para a expiação do pecado.

4) Foi necessário para revelar que a aliança dependia completamente da ação de Deus, quem oferece e é o próprio sacrifício para a ratificação do pacto.

5) Foi necessário para a comprovação definitiva que Jesus era tanto o messias esperado como a própria encarnação de YHWH, ratificado na ressurreição.

6) Foi necessário para revelar a importância dada por Deus (clarificado no custo da paixão) às exigências da aliança (reinar de Deus no indivíduo—reino de Deus)

 

7) Foi necessário para convencer o ser humano que a aliança é muito mais do que o estabelecimento de uma sociedade (governo) justa aqui na terra.

8) Foi necessário para definir categoricamente a importância e a necessidade de um posicionamento definitivo em termos de aceitar ou rejeitar a oferta de Deus.

Para quem se opõe às exigências do evangelho da cruz teria que encontrar uma maneira de ser valorizado por Deus, mesmo rejeitando o amor de Deus expresso no ato de Deus em entregar-se a uma morte cruel expressamente para resgatá-lo. Portanto, quem rejeita a Jesus Cristo desvaloriza tal expressão do amor de Deus, incluindo-se com aqueles que o crucificaram. Para esse, que outro sacrifício pode existir que valeria para retificar a sua posição perante Deus?

Jesus Cristo, portanto, é o messias não-esperado. O povo esperava um messias, mas Jesus foi bem diferente do que se esperava. O evangelho já fora comunicado através do Antigo Testamento, mas não fora amplamente compreendido, nem a sua mensagem completamente desenvolvida. Agora com a vinda, morte e ressurreição de Jesus, a mensagem é mais clara e mais confrontativa. É necessário fazer uma escolha—aceitar por completo as exigências de uma vida completamente entregue a Deus em Jesus ou categoricamente desvincular-se de Deus.

Não existe outra opção: ou é tudo, ou nada.

Cristologia e Soteriologia

Pr. Adelcio Ferreira

Imprimir Artigo PDF

Enviar comentário

voltar para Estudos

left|left tsN fwB|left show fwR|c10|||login news c10 c05 fwR tsY b01 b02 bsd|b01 c05 normalcase uppercase bsd|b01 normalcase fwR c10 tsY bsd|login news c05 b01 normalcase uppercase bsd|c05 tsN normalcase b01 b02 uppercase bsd|b01 c05 normalcase uppercase tsY bsd|content-inner||