O pecado jaz à porta...Cumpri a tí dominá-lo

 

O pecado jaz à porta

O erro de Caim diante da pergunta de Deus.

Hoje meditando sobre o assunto, pois quando vejo as escrituras e passo a meditar nela durante o dia, procuro sempre fazer um texto sobre o assunto. Com certeza vou fazer um devocional, vou pregar sobre este assunto no próximo culto de doutrina, pois Gênesis 4, verso 7, este verso é, consequentemente, transmissor de uma ideia nebulosa, para que possamos compreender a recomendação divina que foi dada a Caim.

Sabemos como dito na escritura que o homem se tornou pecador após a imputação do pecado neste (homem/ser humano). Não há um justo sequer, Rm3.23.

Já presenciei várias pregações falando sobre a inveja de Caim, o assassinato por ele cometido etc. Porém hoje me detive no texto do verso 7 de Gênesis 4, procurando descobrir o por que Deus disse que, se ele procedesse bem seria aceito. Se bem fizeres, não é certo que serás aceito?Gênesis 4:7. Então nos parece dizer o texto que: Se Caim tivesse feito o bem, seria aceito?

Mas, ele não fez o que seria Bom, e sim aos olhos de Deus fez o que era mal e por isso foi rejeitado?

São as perguntas apropriadas para este texto quando o analisamos a partir da hermenêutica correta.

O salmista no salmo 14.3 diz que todos estão isentos de praticar o bem, pois estão desviados e se fizeram imundos. Se a Bíblia nos ensina que não há um se quer, que faça o bem, isto implica que Caim também estava impedido de realizá-lo. Todos se extraviaram, e juntamente se fizeram inúteis. Não há quem faça o bem, não há nem um só. (Rm 3:12). A pergunta: Se bem fizeres, não é certo que será aceito? Então, logo a pergunta nos leva a concluir que fazer o bem era possível. Haveria uma aparente contradição nas escrituras então? Claro que não.

Como Deus apresentaria a Caim a oportunidade de ser aceito fazendo o bem, se o realizá-lo era impossível?

Não encontramos nas escrituras apoio para o argumento de que Deus aceita os homens através do realizar o que é bem e/ou bom.

Quando estava estudando esta escritura, me deparei com um reformado calvinista e seus argumentos pela internet. Este diz que a condição ali em Genesis 4.7 era uma referência a aceitação e não seria uma escolha para fazê-lo justo diante de Deus. Claro que esta é uma resposta diante da sua tese e crença. Não poderia responder ele (o calvinista) diferente a seu oponente, uma vez que Deus não escolhe Abel para o céu e Caim para o inferno.

Porém como sou Armíniano, acredito que esta pergunta se refere ao homem Caim, pecador como uma escolha, e não como uma condição. Uma escolha entre ser dominado pelo pecado e repudiar o domínio do pecado.

Explico: O homem somente é aceito pela fé, sem as obras. Pelo menos iremos ver isso em toda Bíblia. Pela fé Abel ofereceu a Deus maior sacrifício do que Caim, pelo qual alcançou testemunho de que era justo, dando Deus testemunho dos seus dons, e por ela, depois de morto, ainda fala (Hb 11:4). Com base nesta escritura, Deus não estava incentivando Caim a fazer o bem para que fosse salvo, aceito, bem-vindo etc. A justificação é somente pela fé e não por obras. (Efésios 2.8).

Então isso se explica que: Adão pecou por desobediência de uma ordem direta de Deus, e a sua descendência está em pecado por causa da imputação do pecado de Adão a todos os homens. Como está escrito: Não há um justo, nem um sequer. (Romanos 3:10). Isso significa que Caim foi concebido em pecado tal qual todos os homens (Sl 51:5). Diante destes fatos podemos concluir e algumas traduções hoje nos ajuda trazendo esta expressão: o pecado está à porta, (tradução NVI ) O pecado estará à tua porta, (tradução catolica) significando que o pecado está no controle, no ser criado, exercendo o seu domínio em todos que ANTES E  HOJE não estão em Cristo.

Vamos nos apoiar com mais clareza no novo testamento, e ver que não faz parte do evangelho de Cristo a ideia de que praticar o bem torna o homem salvo, e/ou aceitável a Deus. Crer que Deus instruiu Caim a fazer o bem para que fosse salvo, agradável diante de Deus, fere alguns dos atributos de Deus, como a sua santidade, imutabilidade e justiça.

Então podemos concluir que a aceitação seria por uma escolha / livre arbítrio, uma vez que Deus indica o caminho certo. Agora os seres humanos se tornaram conhecedores do BEM e do MAL, porém teria Caim que dominar-se e repudiar o MAL.Os sacrifícios com certeza foram os melhores sacrifícios, uma vez que estavam sendo oferecidos a Deus.

Porém o coração do homem Caim, não correspondia com sua suposta adoração. Como o coração de Caim era mau, nada de bom produziria. Diz a Bíblia: O homem bom tira boas coisas do bom tesouro do seu coração, e o homem mau do mau tesouro tira coisas más ( Mt 12:35 ).  A unidade foi quebrada no Édem, e aceitar viver em comunhão já era difícil mesmo na primeira família da face desta terra. Nem mesmo Adão e Eva poderiam conviver em estado de inocência após o pecado e se acusaram entre si. (Genesis 3.12-16). Argumentar que no texto Genesis 4.7, Deus sugere ao homem fazer o bem para ser aceito é admitir que Deus contraria a Sua própria palavra, pois se fazer o bem resgata o homem, por qual motivo Deus enviou seu Filho para nos resgatar.

Caim não foi aceito por estar sob domínio do pecado e nada do que fizesse podia livrá-lo desta condição. Por ver seu irmão sendo agraciado por Deus, o pecado saltou sobre ele como um cão raivoso, como diz Tiago em sua carta, foi concebido, e logo o desejo que trazia no coração daria à LUZ, contra ele (Caim) e este, ficou irado e com vontade de matá-lo, matar seu irmão, seria conceber, dar à luz a um fruto do próprio pecado que nele, Caim tomou força e o dominou.

Então vemos aqui a pergunta de Deus e a condição de Caim: Se bem fizeres, não é certo que serás aceito? Gênesis 4:7.

O que vemos aqui: Deus avisa Caim de que ele podia reprimir tal desejo. Assim, Deus demonstrou a Caim que ele podia exercer domínio sobre este tão profundo desejo, pois a sua vontade lhe pertencia, assim como acreditamos que a vontade do homem pertence a ele, mesmo este sendo pecador. Chamamos isso de livre Arbítrio. … e sobre ti será o seu desejo, mas sobre ele deves dominar (Gn 4:7). Não Deus, mais a ti, à Caim cumpria dominar seu próprio desejo de pecar (isso vale a todo ser humano). Matar, prostituir, adulterar, mentir, alienar-se de Deus, alienar-se da igreja etc. Todos estes frutos do pecado no homem caído, é chamado por Langston, teólogo Batista por Domínio do pecado. Porém aos que são de Cristo, ainda esta vontade própria livre arbítrio existe, porém não prevalece , uma vez que a bíblia diz: Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para lhe obedecerdes em suas concupiscências; Nem tampouco apresenteis os vossos membros ao pecado por instrumentos de iniquidade; mas apresentai-vos a Deus, como vivos dentre mortos, e os vossos membros a Deus, como instrumentos de justiça.
Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça. (Rm 6:12-14).

Portanto encerro esperando que compreendamos a escritura, e tenhamos a certeza de que somos maus, e em nós, ou seja em nossa carne não habita bem algum. Somos salvos pela Graça independentes de obras. Na mensagem de domingo na IBP de São Lourenço, falamos um pouco sobre isso. Também falamos sobre a condição da mulher ficar submetida ao homem, por causa de seu pecado. E o teu desejo será para o teu marido, e ele te dominará” ( Gn 3:16 ). (Ef 5:22 – 25). Quando lemos que o marido exercerá domínio sobre a mulher, muitos entendem que a mulher deve ser subjugada pelo marido, porém, não é isso que Deus ordenou. Quando a Bíblia diz que o marido exerce autoridade, ele diz do cuidado que lhe é outorgado. E a guarda que a mulher recebe ao ser submissa ao marido. Portanto, tomemos muito cuidado, para que não venhamos a cair na mesma condição de Caim. Pensar estar tão perto de Deus, apenas por ouvir dizer acerca dele. Como dissemos no culto de domingo, ninguém esteve tão próximo de Deus, acredito eu como Adão e Eva. 

Cuidado com o pecado, pois quando ele se torna um ato de estimação pode nos condenar diante da Justiça do Todo Poderoso.

Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado.1 João 1:7

No mais meus amados, Deus abençoe a todos e até o próximo estudo.

Pr. Adélcio Ferreira.

Igreja Batista da Provisão -sede

 

Site igreja: http://www.igrejabatistadaprovisao.com.br/

 

Imprimir Artigo PDF

 

 

 

 

 

 

 

Comentários

Denise Mendes em 05/09/2018 16:25:11
Maravilhosa explanação! Vou meditar mais vezes nesse texto!

Enviar comentário

voltar para Estudos

left|left tsN fwB|left show fwR|c10|||login news c10 c05 fwR tsY b01 b02 bsd|b01 c05 normalcase uppercase bsd|b01 normalcase fwR c10 tsY bsd|login news c05 b01 normalcase uppercase bsd|c05 tsN normalcase b01 b02 uppercase bsd|b01 c05 normalcase uppercase tsY bsd|content-inner||