Ministrações em vídeo

Culto de doutrina: Devemos julgar os irmãos?

 

Texto base: Os pecados de alguns homens são manifestos, precedendo o juízo; e em alguns manifestam-se depois. Assim mesmo também as boas obras são manifestas, e as que são de outra maneira não podem ocultar-se.1 Timóteo 5:24,25 Inicialmente, gostaria de dizer que, em algumas circunstâncias, o cristão pode fazer julgamentos, e isso em conformidade com a Igreja, comunhão dos santos. Baseando-se unicamente nas escrituras, uma vez que o julgado (irmã/irmão), esteja em desacordo com a mesma (a escritura). Porém não acredito que deva ser feito como estão fazendo por ai.Embora Jesus Cristo tivesse dito que Ele não julgava as pessoas (João 8.15) ou que nós não deveríamos julgar (Mateus 7.1), podemos ver vários momentos em que o Senhor Jesus emitiu juízos, claro acredito EU que sendo Ele, justo no seu julgamento: “Ai de vocês, mestres da Lei e fariseus, hipócritas! Vocês fecham o Reino dos céus diante dos homens! Vocês mesmos não entram, nem deixam entrar aqueles que gostariam de fazê-lo”. (Mateus 23.13). “Guias cegos! Vocês coam um mosquito e engolem um camelo”. (Mateus 23.24). “Uma geração perversa e adúltera pede um sinal miraculoso! Mas nenhum sinal lhe será dado, exceto o sinal do profeta Jonas” (Mateus 12.39). “Bem profetizou Isaías acerca de vocês, hipócritas; ...” (Marcos 7.6). “Respondeu Jesus: Ó geração incrédula, até quando estarei com vocês? Até quando terei que suportá-los? Tragam-me o menino” (Marcos 9.19). “Não dêem o que é sagrado aos cães, nem atirem suas pérolas aos porcos; caso contrário, estes as pisarão e, aqueles, voltando-se contra vocês, os despedaçarão” (Mateus 7.6). Estes versículos são apenas uma amostra de vários juízos proferidos por Jesus. Além destes, podemos achar outros, como os ais pronunciados contra Corazim, Betsaida e Cafarnaum (Lc 10.13-15), a declaração de Cristo a vários judeus que haviam crido nele, dizendo que eles eram filhos do Diabo (Jo 8.44) e várias passagens aonde Cristo diz que quem não crê nele, já está condenado (Jo 3.17-18, 36, etc). À luz destas passagens, revela-se falso o argumento de que, baseado no ensino dos Evangelhos e no modelo de vida de Jesus, o cristão não pode julgar a ninguém. Cristo julgou a vários grupos de pessoas. Ao contrário de nossa visão suavizada acerca do Senhor, vemos que Ele, em sua ira e verdade, chamou os fariseus de “hipócritas”, disse que não deveríamos jogar pérolas a “porcos” ou dar o que é santo aos “cães”, além de considerar a sua geração como sendo “perversa”, “adúltera” e “incrédula”. Em todos estes momentos, Jesus mediu estas pessoas, achou-as em falta e emitiu um comentário ou juízo sobre eles. No entanto, alguém pode argumentar dizendo que Jesus, devido a sua condição única de Deus-Homem, tinha o direito de julgar aos outros, e nós também o teremos individualmente este direito. Porém, de acordo com João 5.22 somente Ele tinha este direito: “Além disso, o Pai a ninguém julga, mas confiou todo julgamento ao Filho”. Em outras palavras, Jesus pode julgar as pessoas porque Ele é Deus. Ele nunca faria um julgamento incorreto ou impreciso, além de ter todas as qualificações morais necessárias para ser um Juiz. Nós não teríamos esta capacidade. Volto a dizer:

De forma individual, porém como corpo de Cristo, do qual Ele é a cabeça (Cl1.18) sim, podemos emitir julgamentos conforme o parágrafo primeiro deste texto.

Pr. Adélcio Ferreira

###############################################

Igreja Batista da Provisão - Sede

###############################################

Site da Igreja: www.igrejabatistadaprovisao.com.br

Enviar comentário

voltar para Ministrações em vídeo

left|left tsN fwB|left show fwR|c10|||login news c10 c05 fwR tsY b01 b02 bsd|b01 c05 normalcase uppercase bsd|b01 normalcase fwR c10 tsY bsd|login news c05 b01 normalcase uppercase bsd|c05 tsN normalcase b01 b02 uppercase bsd|b01 c05 normalcase uppercase tsY bsd|content-inner||